top of page

OS DETALHES DA LISTA DAS MELHORES DO MUNDO

Uma análise sobre a eleição das 100 melhores jogadoras do Mundo feita pelo jornal The Guardian

Foto: UEFA/Getty Images

Na semana passada o The Guardian anunciou a lista das 100 melhores jogadoras do planeta. Este tem sido um dos pilares da ótima cobertura do futebol feminino feita pelo tradicional jornal inglês nos últimos anos. A lista contou com os votos de 119 pessoas de todo o mundo - treinadoras e treinadores, ex-jogadoras, jornalistas e comentaristas - entre elas algumas brasileiras como a lenda Sissi, a treinadora Tatiele Silveira e as jornalistas Alicia Soares e Amanda Viana.


Como todas as listas, sempre haverá questionamentos sobre os critérios e alguns nomes, principalmente das jogadoras que estão no topo. O fato de ser um jornal inglês, considerando o histórico centralizador da forma como jornalistas e comentaristas enxergam o futebol por lá, também pode ser um fato a ser questionado. Porém a verdade é que se trata de um trabalho muito sério e com critérios bem justos que, por mais que existam algumas discordâncias, não teriam muitas mudanças caso ela fosse feita em outros países.


Me dei o trabalho de jogar esta lista para o Excel (programa que eu odeio, mas é necessário) para destrinchar um pouco a lista, buscar por detalhes e informações interessantes.

Abaixo, estão os sete pontos que mais me chamaram a atenção.


Espero que gostem.


1. AS BRASILEIRAS:

Quatro jogadoras brasileiras entraram na lista das 100 melhores: Debinha (23ª) neste momento sem clube, Geyse (72ª) do Barcelona, Kerolin (82ª) do NC Courage e Rafaelle (84ª) do Arsenal.

O número duplicou em relação ao ano passado, quando Debinha (27ª) e Marta (57ª) fizeram parte da lista.


Talvez outros nomes brasileiros poderiam estar presentes, como Adriana, Bia Zaneratto ou Ary Borges, mas o fato de jogarem o Campeonato Brasileiro dificulta uma análise mais profunda. Até a Copa América, para alguns dos eleitores, não seja algo relevante e que mereça destaque. A tendência é de nos próximos anos o Brasil tenha cada vez mais atletas nesta lista e com mais nomes atingindo o top50. Questão de tempo.


2. MÉDIA DE IDADE:

A média de idade das 100 melhores jogadoras é de 27 anos. A mesma quando filtramos apenas para as dez primeiras colocadas na lista.

As duas mais jovens jogadoras são: a colombiana Linda Caicedo do Deportivo Cali com 17 anos e a haitiana Melchie Dumornay do Stade de Reims com 19 anos. A jovem mais bem colocada é a ótima meio-campista alemã Lena Oberdof do Wolfsburg com 21 anos, em quinto lugar na lista. A com mais anos de vida é a lenda canadense do Portland Thorns Christiane Sinclair (76ª), com 39 anos.



3. MAIOR NÚMERO DE JOGADORAS:

O país com o maior número de atletas na lista é a Alemanha com 14. Em segundo lugar está a Inglaterra com 13.

As inglesas são maioria entre as dez melhores: três jogadoras – Beth Mead (2ª) do Arsenal, Keira Walsh (9ª) do Barcelona e Lucy Bronze (10ª) que também joga na equipe catalã. A Liga com o maior número de jogadoras é a FAWSL da Inglaterra com 24 atletas e a segunda é a D1 Arkema da França com 19 atletas. Quando se trata de clubes o Lyon é a equipe que tem mais jogadoras na lista, um total de 11. O Barcelona, com dez jogadoras, fica em segundo.



4. A CENTRALIZAÇÃO DO TALENTO:

As cinco principais ligas do mundo - NWSL (EUA), FAWSL (Inglaterra), La Liga (ESPANHA), D1 Arkema (França) e Frauen Bundesliga (Alemanha) concentram 92 das 100 jogadoras da lista.

Quando dividimos por ligas e por equipes vimos que os grandes nomes não se espalham em diversos clubes, ficando concentrado apenas em algumas potências. Todas as jogadoras da Frauen Bundesliga da Alemanha jogam no Wolfsburg ou no Bayern) e na Espanha os talentos estão apenas em Real Madrid e Barcelona. Já na liga francesa Lyon e PSG dominam, com apenas uma jogadora de outro clube - a haitiana Melchie Dumornay do Stade de Reims.


Da liga inglesa cinco equipes estão presentes na lista (Arsenal, Chelsea, Manchester City, Manchester United e West Ham) e da liga dos EUA seis equipes tem jogadoras entre as 100 melhores (San Diego Wave, Portland Thorns, NC Courage, Chicago Red Stars, Washington Spirit e OL Reign).


O número de jogadoras dos clubes que farão as quartas de final da Champions League Feminina - também é surpreendente: 65 jogadoras fazem parte dos elencos de sete das oito equipes classificadas para o mata-mata da UWCL. Apenas a Roma não tem nenhuma jogadora entre as 100 melhores.



5. FORA DO EIXO

Apenas oito atletas não jogam nas cinco maiores ligas do mundo - NWSL (EUA), FAWSL (Inglaterra), La Liga (ESPANHA), D1 Arkema (França) e Frauen Bundesliga (Alemanha).


São elas:

(50ª) Jenni Hermoso – espanhola que joga no Pachuca (MEX)

(57ª) Kosovare Asllani – sueca que joga no Milan (ITA)

(74ª) Linda Caicedo – colombiana do Deportivo Cali (COL)

(85ª) Ji So-Yun – sul-coreana do Suwon (COR)

(86ª) Pauline Magnin – francesa da Juventus (ITA)

(88ª) Mia Fischel – estadunidense do Tigres (MEX)

(95ª) Daphne van Domselar – holandesa do Twnte (HOL)

(97ª) Barbara Bonansea – italiana da Juventus (ITA)



6. EUROPA + EUA – A ELITE DO FUTEBOL FEMININO

Apenas 21 jogadoras nasceram fora da Europa e dos EUA.

O Canadá é o país com mais atletas entre eles com 5 nomes na lista, porém todas jogam na Europa ou nos EUA. O Brasil é o segundo com quatro e todas também jogam em clubes europeus ou estadunidenses. O continente africano conta com apenas uma jogadora entre as 100 melhores – Asisat Oshoala do Barcelona (38ª). As outras sul-americanas além das brasileiras são goleira chilena Christiane Endler e a colombiana Linda Caicedo.


As cinco melhores desta lista de atletas nascidas fora da Europa + EUA são:

(3ª) Samm Kerr – australiana que joga no Chelsea (ING)

(20ª) Christiane Endler – chilena que joga no Lyon (FRA)

(23ª) Debinha – brasileira que atualmente está sem clube

(38ª) Asisat Oshoala – nigeriana que joga no Barcelona (ESP)

(46ª) Kadeisha Buchanan – canadense que joga no Chelsea (ING)



7. A SELEÇÃO DAS 100 MELHORES:

Considerando uma jogadora por posição, montando o esquema de jogo num 4-3-3 / 4-5-1 e utilizando o mapa de calor das atletas durante a temporada como referência de posicionamento, este seria a seleção das 100 melhores:


Christiane Endler; Lucy Bronze, Wendie Renard, Leah Williamson e Fridolina Rolfö; Lena Oberdorf, Alexia Putellas e Aitama Bonmattí; Beth Mead, Samm Kerr e Lauren Hemp.



Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page